Archive | setembro 2012

HEBE CAMARGO #RIP

Anúncios

DESEJO UMA ÓTIMA SEXTA-FEIRA

Para todos os fãs de Breaking Bad e para aqueles que ainda serão!

TILT! TILT! TILT! TILT!

Desculpem o atraso das atualizações, mas neste  momento eu estou “tentando” resolver alguns problemas técnicos com a plataforma WordPress. Nada legal por sinal.

A DELICADEZA DO CINEMA FRANCÊS

É incrível como cada vez mais a minha admiração pelo cinema francês cresce. La Delicatesse é um romance francês sensacional e completamente incomum. Nathalie tem uma vida maravilhosa e um marido perfeito. Quando tragicamente seu marido morre em um acidente (spoiler!), o mundo perfeito de Nathalie se desfaz.

Ela vive o luto, o vazio e a tristeza da perda, dedicando-se exclusivamente ao trabalho por três longos anos. Tudo torna-se previsível e repetitivo no vida de Nathalie, até o dia que irracionalmente e inexplicavelmente ela beija um colega de trabalho, o sueco e tímido Markus (François Damiens), fato recebido com perplexidade no universo de Nathalie, simplesmente por Markus ser considerado um homem “feio”.

Esta é uma história de renascimento, mas é também um conto sobre a singularidade do amor. Para descobrir o que acontece neste complicado universo romântico, será necessário assistir este grande filme.

Baseado em um romance de David Foenkinos, obra vencedora de APENAS 10 prêmios literários, La Delicatesse surpreende por sua abordagem e poesia. Sem dúvida um filme leve para ser apreciado em ótima companhia. E se você ainda precisa de mais motivos para convencer-se desta indicação, lembre-se que Nathalie é interpretada pela belíssima Audrey Tautou, a eterna e carismática Amélie Poulain.

A MELHOR BANDA INDIE DE TODOS OS TEMPOS – THE WHIGS

Às vezes acontece. Você esbarra em um álbum desconhecido, antigo, e quando menos espera, apaixona-se. Não trata-se de fato raro ou impossível, afinal, quem de fato consegue acompanhar e conhecer todos os lançamentos musicais do ano? Alguém? Eu definitivamente não consigo.

Nas últimas semanas eu tenho declarado amor incondicional ao álbum Give Em All a Big Fat Lip, lançado no longínquo ano de 2005, e descoberto apenas no início deste mês. Sinceramente trata-se da melhor surpresa dos últimos meses, tornando-se uma recomendação obrigatória para os apreciadores da boa música.

Formado na cidade de Athens, o power trio de garage rock The Whigs já possui quatro impressionantes e desconhecidos álbuns, sendo que Enjoy The Company, seu mais recente trabalho, acaba de ser lançado no mercado americano.

Para a gravação de Give Em All a Big Fat Lip, seu álbum de estréia, o trio contou apenas com instrumentos comprados no site eBay, posteriormente revendidos na expectativa de ajudar a compensar os gastos com a produção. Apesar de desconhecido no circuito comercial, o trio já realizou turnês ao lado dos grupos Kings of Leon, The Black Keys, Black Rebel Motorcycle Club e Drive By Truckers, entre muitos outros, além de participar dos principais talk shows americanos, como o The Tonight Show with Jay Leno, the Late Show with David Letterman, Late Night with Conan O’Brien, Late Night with Jimmy Fallon e Jimmy Kimmel Live! A revista Rolling Stone já descreveu o grupo como “a melhor banda desconhecida da América”.

Give Em All a Big Fat Lip é primoroso, um trabalho de muito bom gosto para os apreciadores do legítimo garage rock americano, um álbum raro, marcado pela beleza de canções como Don’t Talk Anymore, Written Invitation, Nothing Is Easy, Half the World Away e Say Hello, que apesar dos reconhecidos destaques, merece ser apreciado por completo. Sem dúvida alguma uma grande banda, incompreensivelmente desconhecida do grande público.

E para degustação, selecionei aleatoriamente algumas incríveis performances ao vivo (por ser independente e pequena, a banda não investe muito em vídeo clipes), apresentações imperdíveis para quem conhece e até então desconhecia o grupo. As músicas estão divididas entre seus três trabalhos iniciais, até por que não é fácil ter acesso a discografia do trio. Aproveite.

O CANDIDATO DE HOMER

Simplesmente es-pe-ta-cu-lar!

Em um teaser publicado no YouTube, divulgando a nova temporada dos Simpsons, o ícone pop americano Homer Simpson define o seu candidato na atual eleição americana. Conhecido por seu estereotipo débil, Homer personaliza (e ridiculariza) a imagem do trabalhador americano pouco instruído, acima do peso e extremamente preguiçoso.

Com menos de dois minutos de duração, o teaser apresenta diversos referenciais críticos sobre a atual eleição americana, utilizando-se do seu clássico humor ácido corrosivo.

Entre o caminho percorrido até a seção eleitoral e a escolha de seu candidato, temas como os lemas de campanha, a definição eleitoral por meio da Suprema Corte (numa clara referência à eleição do ano 2000, entre George W. Bush e Al Gore), a obrigatoriedade da apresentação de um documento de identificação para o voto (alvo de uma longa discussão judicial no país), e os méritos da administração Obama frente a performance do cavalo republicano de Romney (um fiasco durante as Olimpíadas de Londres), são sutilmente abordados e desconstruídos de uma forma genial.

Quando a escolha de Homer é necessário conferir o teaser para descobrir seu candidato, sem esquecer-se de seu lendário estereotipo e as divertidas consequências de sua escolha.

RIDLEY SCOTT E O BERÇO DA FICÇÃO ALIENÍGENA

É complicado escrever uma breve biografia sobre Ridley Scott, afinal, o mestre da ficção alienígena (entre tantos outros títulos), está sempre envolvido com uma nova produção. Apenas em 2012, entre projetos de direção e produção, são mais de dez diferentes trabalhos sob o olhar frio e apocalíptico de Scott.

Como diretor, Scott é o responsável por alguns filmes de pouco sucesso e insignificância, como Alien – O Oitavo Passageiro, Blade Runner – O Caçador de Andróides , Thelma & Louise e Gladiador, apenas para refrescar a sua memória. Quando anunciou a volta ao universo de ficção alienígena os fãs se animaram. Scott é mestre. Sua combinação entre o suspense, o terror e a ficção científica são imbatíveis, mas é claro que todo retorno tardio também pode significar o declínio de uma impecável franquia, como por exemplo o trabalho de  Steven Spielberg e George Lucas, ao insistirem na produção do terrível Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal.

Apesar dos temores, Prometheus não desanima. Ridley retorna ao agora pré-universo de Alien, e com um argumento instigante, desenvolve mais uma excelente trama ficcional repleta de suspense. Com base em estudos arqueológicos, um grupo de cientistas e exploradores realiza uma jornada aos confins do universo, buscando tentar entender e desvendar o mistério da origem da humanidade. Seria possível que a nossa origem estivesse voltada à uma forma de vida superior, viva e comunicativa em um longínquo planeta desconhecido?

O que se espera de Ridley está presente em Prometheus, inclusive o retorno do suiço H.R. Giger, o criador do design do Alien original. Em uma clara homenagem ao escritor Erich Von Däniken, autor do livro Eram os Deuses Astronautas?, Ridley Scott aborda a suposta origem extraterrestre da raça humana, sem desprender-se de um retorno sutil ao seu assustador oitavo passageiro, que para a nossa felicidade deve invadir as salas de cinema em uma já garantida continuação de Prometheus.

Aos fãs de ficção cientifica, suspense e sobretudo o clássico Alien – O Oitavo Passageiro, Prometheus é sinônimo de diversão garantida.

INSUPORTAVELMENTE QUENTE


Tempo seco. Temperaturas inacreditáveis e um sol impiedoso. E o pior (para quem está perdido no infinito concreto de São Paulo), nenhum sinal de chuva breve. Enquanto o mundo superaquece, eu decidi FINALMENTE retomar a edição semanal de MESS_TAPE. E no seu aguardado e demorado retorno, celebramos a trilha sonora perfeita para esses insuportáveis dias de verão desértico, erroneamente dispostos no que deveria ser qualquer outra estação.

Vale esclarecer. Por conta da minha incapacidade intelectual técnica, eu desisti de instalar o gracioso player MixCloud para sua agradável apreciação, até por que eu não sei o motivo pelo qual esse infeliz deixou de funcionar na plataforma WordPress, mas de qualquer forma basta clicar sobre a imagem do player abaixo, para ser direcionado à página específica. Muito simples.

MESS_TAPE 026 – Insuportavelmente Quente

  • Jimmy Cliff – Reggae Music
  • Kram – Ridin High
  • Frank Ocean – Sweet Life
  • Rodrigo y Gabriela – Tamacun
  • Sasha Dobson – Without You
  • Holy Fuck – They’re Going To Take My Thumbs
  • Chocolate Genius – Life
  • John Butler Trio – Good Excuse
  • Karina Buhr – Amor Brando
  • French Films – Golden Sea
  • Fair Ohs – Everything Is Dancing
  • The Whigs – Half the World Away
  • The Holidays – Moonlight Hours
  • Reef – Place Your Hands
  • Gram Parsons – Ooh Las Vegas
  • Delphic – Acolyte

Aperte o play e aumente o volume, sem deixar de aproveitar o sol!

UM DOS PROVÁVEIS MELHORES ÁLBUNS DO ANO

Produzido por Tim Armstrong do grupo Rancid, a lenda viva do reggae e membro imortal do Rock and Roll Hall Of Fame, Jimmy Cliff, celebra aos impressionantes 64 anos de idade o lançamento do grandioso “Rebirth”, sem dúvida um forte candidato aos melhores álbuns do ano. Neste momento eu deveria dissecar o elogiado grande retorno do maior astro vivo do reggae, mas sinceramente estou aproveitando o dia para degustar da beleza presente nas canções “World Upside Down”, “One More”, “Reggae Music”, “Outsider” e “Ruby Soho”.

Não restam dúvidas, é injusto e estúpido não considerá-lo um dos cinco melhores álbuns lançados este ano. FATO.

O SEU AMOR SABE – MESS TESTE

Ela era linda, estupidamente linda. Sua beleza hipnotizada todos os homens ao redor, mas nenhum deles atrevia-se aproximar-se de tão formosa forma. O feriado aproximava-se do fim e eu já não me importava em acumular derrotas, quando finalmente resolvi ultrapassar as barreiras da conveniência e iniciar uma despretensiosa conversa. Respirei fundo.

Não foi preciso muito esforço para ganhar sua atenção. Seu sorriso perfeito incomodava as mulheres ao redor, ao mesmo tempo em que alguns homens me invejavam. Tratei de abordar temas comuns, cultura em geral, ironia e pequenas provocações. Em dez minutos desisti da conversa.

Nada, absolutamente nada sabia. Sua estupidez era tão grave, que talvez não soubesse a capital do próprio país. Já estava desinteressado. E aquela beleza celestial transformou-se apenas em uma embalagem chamativa, terrivelmente vazia.

O mundo está repleto de exemplos. Quando você inspira por apenas uma noite, a estupidez não importa. Mas quando você está cansado de jogar com os tolos, nenhuma beleza do mundo é capaz de reter a sua atenção.

Eu deveria lhes aplicar um teste, pensei enquanto renovava minha dose de gin. Perguntas básicas, divertidas e repletas de significados. Caso contrário temo que esteja procurando a pessoa certa no lugar errado. Ri alto.

O feriado havia acabado.

Com base na minha experiência pessoal, vou lhes propor um teste. Algo muito simples e extremamente divertido. Dez perguntas objetivas, apenas uma resposta correta e a possibilidade de se entreterem com diferentes temas, como música, cinema e cultura em geral. Todas as respostas possuem uma determinada dose de sarcasmo, proporcionando uma diversão garantida para quem é vacinado. As regras são simples, e as respostas corretas serão disponibilizadas nos comentários. Divirta-se.

REGRAS
1 – Consultou o Google = PERDEU.
2 – Aceitamos SARCASMO, desde que justificado.

1) Steven Spielberg é:

a) Uma famosa receita de hambúrguer americana
b) Um político alemão
c) Uma manobra de skate
d) Um diretor de cinema americano
e) Uma constelação da esfera celeste

2) A Estátua da Liberdade é:

a) Um presente francês concedido por Napoleão III
b) Uma posição sexual do Kama-Sutra
c) Um símbolo dos três poderes nacionais
d) Um vibrador anal
e) Uma ilha particular

3) A maior bilheteria do cinema nacional pertence ao filme:

a) Dois Filhos de Francisco
b) Dona Flor e seus Dois Maridos
c) Tropa de Elite 2
d) Cidade de Deus
e) Cilada.com

4) O grupo Os Trapalhões era composto por:

a) Didi, Dedé, Dudu e Dadá
b) Didi, Dedé, Cici e Cuca
c) Moe, Larry, Shemp e Curly
d) Didi, Jacaré, Xuxa e Sérgio Mallandro
e) Didi, Dedé, Mussum e Zacarias

5) São desenhos animados:

a) Caverna do Dragão, Jetsons e Armação Ilimitada
b) Flintstones, Turma da Mônica e Mundo da Lua
c) Cavalo de Fogo, Glub-Glub e O Fantástico Mundo de Bob
d) Scooby-Doo, Thundercats e Herculóides
e) Confissões de Adolescentes, He-Man e Cavalheiros do Zodíaco

6) O nome do vocalista do Pearl Jam é:

a) Eddie Van Halen
b) Eddie Vedder
c) Eddie Murphy
d) Eddie Van Feu
e) Evandro Mesquita

7) São vilões:

a) Júlio César, Lula e Penicilina
b) Adolf Hitler, Darth Vader e Magneto
c) George W. Bush, lactobacilos Vivos e Osama bin Laden
d) Lassie, Nosferatu e Kristen Stewart
e) Ricky Martin, Boy George e Ayrton Senna

8) Oscar Niemeyer é:

a) Um arquiteto
b) Um arquipélago
c) Uma gíria carioca
d) Um desodorante
e) O primeiro homem a pisar na lua

9) Italo Calvino nasceu:

a) Em Osasco
b) Na Espanha
c) Na Itália
d) Em Cuba
e) Na inglaterra

A pergunta de 1 milhão de dólares

10) O primeiro político condenado pelo Mensalão é:

a) Paulo Salim Maluf
b) Luís Flávio Zampronha
c) Joaquim Benedito Barbosa
d) João Paulo Cunha
e) Cezar Peluso

UMA PEQUENA JOIA INGLESA

O dia amanhecia enquanto eu e uma amiga circulávamos pela cidade, ambos desesperadamente famintos por qualquer alimento sólido não alcoólico. Já era sábado, e no caminho de volta para casa avistamos um posto de gasolina como outro qualquer, completamente deserto, habitado apenas pelos poucos funcionários reunidos, dividindo um limitado espaço em frente a uma TV ligada, disposta na pequenina loja de conveniência.

Para nós tratava-se de uma salvação. Eu nunca fui ou serei fã da comida disponível em lojas de conveniência, mas aceito as condições do momento sem qualquer histeria.

Enquanto eu mergulhava em um universo de carboidratos e açúcar refinado, o pequeno grupo de funcionários me chamou atenção. Pelo horário pouco poderia ser interessante na TV aberta, e ao me aproximar me surpreendi com a programação da TV a cabo, uma das obras mais incríveis, sensíveis e brilhantes do diretor inglês Garth Jennings, o espetacular Son Of Rambow (O Filho de Rambow, em português).

O roteiro é sensacional. Utilizando o universo infantil como cenário, a obra de Jennings explora diferentes temas utilizando uma abordagem mascarada, pontuando temas adultos através de uma perspectiva fantástica juvenil. A improvável amizade entre os protagonistas Lee Carter e Will Proudfoot é a base para uma série de questionamentos que envolvem desde a desunião familiar, o rigor exagerado de algumas religiões, o amor pelo cinema e o desejo inquietante de conquistar uma sublime felicidade.

Lee Carter é um delinquente juvenil que aproveita-se da ingenuidade de Will Proudfoot para furtar-lhe um relógio, mas ao identificar-se com Will, devido sua desastrosa história familiar, Lee aproxima-se do ingênuo garoto religioso com a proposta de juntos produzirem um grande filme de ação. Regrado por meio de severas condições religiosas, Will impressiona-se com a exibição pirata de “Rambo: Programado para Matar”, o clássico filme de ação, estrelado por Sylvester Stallone, exibido ocasionalmente em um dos diversos refúgios de Carter, e decide ao lado do novo amigo iniciar as gravações de “O Filho de Rambow”, uma variação fantástica do herói americano.

O filme ambientado na década de oitenta ostenta uma trilha sonora invejável, pontuada por canções clássicas, figurinos detalhados e passos de dança engraçadíssimos, promovendo um pequeno referencial nostálgico indireto, aos grandes clássicos juvenis produzidos na época.

Seria uma injusta trapaça dissecar a trama de Jennings por meio da descrição dos grandes momentos presentes no filme, mas acredite, “O Filho de Rambow” é sem dúvida alguma uma pequena obra prima inglesa, um retrato original sobre uma bela história de amizade, reconhecidamente aclamada pela crítica e pelo público. Uma pérola rara.

PROGRAMA #02 NO AR

E o canal on-line Porta dos Fundos, uma iniciativa de humor genuíno elaborada por Ian SBF, Gregório Duvivier, Fabio Porchat, João Vicente e Antonio Tabet, já disponibilizou ao público o segundo episódio de sua celebrada produção. Confira o imperdível Programa #2, fruto deste sensacional grupo de humoristas.

LARA – A MUSA – STONE

Para animar a nossa terça-feira.
<br>
Graças ao trabalho do fotógrafo Mikael Jansson, a beleza irretocável da holandesa Lara Stone é retratada explicitamente em um ensaio provocante para a revista americana The Last Magazine. Sem dúvida os seios fartos de Stone já fazem parte do imaginário masculino – e por que não feminino?
<br>