NÃO PERCA SEU TEMPO – AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL

The-Perks-of-Being-a-Wallflower-Poster-585x426

Não se deixe enganar pela propaganda, pois The Perks Of Being A Wallflower (As Vantagens de Ser Invisível, no Brasil) é uma completa perda de tempo.

Você pode se enganar frente às referencias óbvias a obra carismática de John Hughes, ou se permitir impressionar-se com a trilha sonora indie clássica, com a presença magnética de David Bowie, New Order e The Smiths (para citar apenas alguns nomes), talvez você suspire diante ao saudosismo tecnológico que ressalta a importância dos K7 e mixtapes, mas acredite, no fim, estará apenas diante de um combinado de fórmulas exageradamente intercalados e erroneamente costurados.

Logan Lerman é o próximo antipático, inexpressivo e irritante ator de sua geração. E os méritos não devem-se apenas a sua vegetativa “interpretação” em The Perks Of Being A Wallflower, mas ao conjunto de sua impressionante coleção de fracassos cinematográficos.

Enquanto os fãs de Harry Potter celebram uma apática interpretação de Emma Watson e o seu revolucionário sutiã vazio, devemos reconhecer que Ezra Miller convence no papel de meio-irmão gay de Watson, em uma galeria de péssimas interpretações neste que já fora aguardado com o grande filme indie de 2012.

A trama? Charlie (Lerman) é um garoto tímido, marcado por infortúnios que incluem a morte de um parente próximo e o suicídio de seu melhor amigo, no inverno passado. O colegial é o início de uma nova fase, e enquanto o diretor Stephen Chbosky enfileira uma série de clichês juvenis em sua obra nostálgica, Charlie precisa reaprender a se sociabilizar e conquistar novos amigos antes que finalmente enlouqueça.

Tudo o que você já viu está presente em The Perks Of Being A Wallflower, portanto prepare-se para rever romances platônicos inconciliáveis, traumas familiares modernos, depressão adolescente histérica e uma releitura (simpática) de The Rocky Horror Picture Show. Existe uma carente expectativa de injetar poesia visual visceral, mas o diretor Stephen Chbosky consegue desequilibrar planos, trilha sonora e luz quando se espera. E nenhuma simpatia deste universo irá me convencer que túneis são um referencial figurativo para portais ou outros universos, para registro.

Em resumo, escute a trilha sonora, mas não perca o seu tempo. O sutiã de Emma Watson não vale o ingresso.

Anúncios

Tags:, , , , , , ,

About Ghilardi

Crítico ácido, um ruminante de peso. Definitivamente carne de terceira. Escritor. Músico. Fotógrafo ordinário.

Escreva seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: