UM LEVE DESPERTAR

hello-i-must-be-going-pstr01

Quem conhece Melanie Lynskey por conta de sua participação cômica – brilhantemente cômica, para registro – no universo sexista de Two and a Half Man, irá sem duvida se surpreender com sua vertente dramática em “Hello I Must Be Going”.

O filme do diretor Todd Louiso tem dividido a opinião do publico e agradado a crítica ao acompanhar a história da melancólica Amy Minsky, uma mulher devastada pelo término do seu casamento e abrigada temporariamente na casa de seus pais, enquanto reúne forças para se restabelecer novamente.

O calvário de Amy é sutilmente traduzido em inexatidões existenciais, sublimemente interpretado em Melanie Lynskey, que merecidamente integra agora, o grupo de atrizes que eu admiro e respeito. Muito.

Graças à insistência familiar, Amy é convencida a deixar o seu luto emocional e se relacionar com o universo ao seu redor, iniciando uma desventurada recuperação gradual de sua alegria ao conhecer Jeremy (interpretado por Christopher Abbott), um adolescente precoce e contraditório em relação a sua carreira profissional.

Enquanto Jeremy reluta em dar continuidade em sua carreira artística, Amy se esforça para reestabelecer o controle mínimo de sua rotina, quando inesperadamente os dois iniciam uma curiosa relação amorosa secreta. Repreendido pelos pais e socialmente mal interpretado como gay, Jeremy possui quase a metade da idade de Amy, mas revela-se uma peça fundamental na recuperação da nossa anti-heroína deprimida e desiludida.

Sem dúvida “Hello I Must Be Going” acerta ao retratar o recomeço emocional (no caso de Amy), e o despertar emocional (no caso de Jeremy), através de uma abordagem leve, realista e poética. Além de referenciar o mestre Groucho Marx utilizando um de seus atos musicais mais famosos como título, “Hello I Must Be Going” detém um primoroso casamento entre suas tomadas intencionalmente apáticas e sua trilha sonora sensível, que não deve ser ignorada.

Uma das mais agradáveis surpresas do último Festival de Sundance e uma pérola na carreira de Melanie Lynskey. Sem dúvida trata-se de um dos filmes “imperdíveis (e quase ignorados)” lançados em 2012.

Anúncios

Tags:, , , , , ,

About Ghilardi

Crítico ácido, um ruminante de peso. Definitivamente carne de terceira. Escritor. Músico. Fotógrafo ordinário.

Escreva seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: